Insónia

Eram cinco da manhã e a cama teimava em dar voltas. Decidi contrariá-la. Levantei-me de rompante, vesti-me, calcei umas sapatilhas e saí de casa, despenteado e com a cara por lavar. Precisava serenar das voltas que a cama insistentemente deu à minha alma. Ainda meio tonto, caminho sem destino.
Está frio. Ponho as mãos nos bolsos dos calções e encontro um dos auscultadores há muito perdidos. Sintonizo-me com a música que passa no momento.

Trauteio aquela letra quase impercetível mas, ainda assim, mágica. Começo a sorrir. Volto ao início da música e continuo a caminhar. Ao longe vejo uma luz que se repete de – um, dois, três, …, sete, oito, …, doze – doze em doze segundos. E o caminho ganhou destino. É ali, no farol, que vou ver o sol raiar. Tirei os auscultadores e a música que tocava, repetidamente, deu lugar ao som do mar.
Bom dia, dia bom!

P1280754

Anúncios