Sentir…

“O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás…
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem…
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras…
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo…

Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender …
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo…

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos…
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar…

Amar é a eterna inocência,
E a única inocência é não pensar…”

O Guardador de Rebanhos | Poemas de Alberto Caeiro | Fernando Pessoa

WP_20170602_011
Efemérides:
– Fernando António Nogueira Pessoa nasceu a 13 de junho de 1888, em Lisboa;
– Maria Helena Vieira da Silva nasceu a 13 de junho de 1908, em Lisboa;
– Dia de Santo António, santo padroeiro de Lisboa, nasceu a 15 de agosto de 1195 (informação não fidedigna).

E saem três ‘biba’s’… ‘Biba’ Fernando Pessoa! ‘Biba’ Vieira da Silva! ‘Biba’ St. António, a sardinha assada e o manjerico!

 

Minha pátria é a língua portuguesa

Boa noite, Poesia! Hoje é o teu dia. Ontem foi o teu dia. Amanhã o dia será teu.

“O Dia Mundial da Poesia foi criado na 30.ª Conferência Geral da UNESCO a 16 de Novembro de 1999.
O Dia Mundial da Poesia celebra a diversidade do diálogo, a livre criação de ideias através das palavras, da criatividade e da inovação. A data visa fazer uma reflexão sobre o poder da linguagem e do desenvolvimento das habilidades criativas de cada pessoa.(…) A poesia contribui para a diversidade criativa, usando as palavras e os nossos modos de percepção e de compreensão do mundo.”

Pedro Lamares, um jovem nortenho que ilumina a alma cada vez que declama, apresenta a força da poesia (e não só!), num TED. Quase que me atrevo dizer que devia ser obrigatório todos os alunos, professores, pais e o conterrâneo Ministro da Educação ouvir estes dezoito minutos de puro deleite.

“Creio no Mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender…
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo…”
O Guardador de Rebanhos | Poemas de Alberto Caeiro | Fernando Pessoa