Rotinas

É uma tarde fria de inverno. O sol brinca às escondidas com as nuvens e estas teimam vencer. Para aquecer, vou ao café de sempre, onde o jovem casal que lá trabalhava me acolhe com um sorriso. Não preciso dizer o que quero. Prontamente chega à mesa um café pingado e o jornal com as notícias da terra. É o privilégio de receber um sorriso diário que me faz manter esta rotina. Há rotinas boas, não há?

DSCF8468

Anúncios

Nazaré

“Quartos; Rooms; Zimmers; Chambres”, invadem as varandas ou as mãos das senhoras das sete saias que dizem em inglês, com acento nazareno: “come here, my love!”
É a autenticidade e o preservar das tradições que me encantam nesta terra. O cheiro a mar que teima em salpicar o rosto dos que por lá passeiam, quase como se de água benta se tratasse. As mãos e os rostos das senhoras que vendem peixe seco não enganam. São mapas genuínos de vida. Estão vestidas a rigor com as suas saias, tantas quantos os dias de semana, lenço na cabeça e libras a dourar as orelhas. São bonitas. Desculpem… São muito bonitas e gentis. É a Nazaré.

DSCF8495

DSCF8538DSCF8544

Escócia

Poder terminar 2017 e receber o novo ano a fazer aquilo que mais gostamos é um privilégio. A gratidão vai crescendo e ganhando formas. Tem curvas de sorriso e a força dos abraços apertados e partilhados.

Há muito que a Escócia estava naquela lista-sem-fim-de-sonhos, sempre disponível para imprevistos e surpresas. No dia que chegasse esta viagem sabia que não se tratava apenas da descoberta de um novo país. Os sentidos e a memória seriam postos à prova, com muita frequência. Há um toque de Islândia e um outro de Açores. Há o desafio de conduzir à esquerda da faixa de rodagem, à direita do automóvel e, como se a lateralidade não estivesse confundida o suficiente,  as mudanças são metidas com a mão esquerda. Desafio superado com distinção e gargalhadas imensas.
Se as cidades são encantadoras, como Stirling e Edimburgo, é a natureza que impera e aquece a alma. Partir de Glasgow numa manhã brindada com um forte nevão e conduzir até Portree, disse ser das estradas mais bonitas que alguma fiz. Menti. Contornar a ilha de Skye é uma perdição. Ir até Inverness outra imensidão de beleza. As paragens são tantas quantas as vezes que o deslumbramento toma conta de nós. Para os amantes de caminhadas, a Escócia oferece um vasto leque de trilhos marcados para nos ‘perdermos’ dias a fio.
Dificilmente quaisquer palavras ou fotografias farão jus à magia que brota deste país.
Aqui fica o convite, na forma de imagem, para um dos meus verbos favoritos: IR; para voltar, os que já lá foram; e para os indecisos, estão à espera de quê?

DSCF8048DSCF8057DSCF8065DSCF8066

DSCF8138
Castelo de Eilean Donan

DSCF8178

DSCF8162

DSCF8163DSCF8083DSCF8208DSCF8326

DSCF8355
Castelo Dunnotar

Sight_2018_01_07_225008_311Sight_2017_12_29_163223_871Sight_2018_01_02_232439_615

Balanço

Prestes a terminar o ano, consciente ou inconscientemente faz-se um balanço. Como forma de celebração da vida, tentei escolher uma foto por cada mês. Tarefa demasiado árdua. Felizmente, não consegui. 2017 foi um ano recheado e, por vezes, atribulado. Guardo momentos especiais, em locais mágicos e, o melhor, com pessoas que alimentam a loucura, o coração e a alma.
2018, estou a sorrir e de braços abertos. Anda daí…

Janeiro

15875078_1517339311613624_4254518624005890317_o
Connemara | Irlanda
p1260439
Serra da Estrela

Fevereiro

Sight_2017_02_28_134604_860[1]
Taizé | França
p1270030
Taizé | França


Março
Sereno e encantador Alentejo…

P1270168
Messejana
P1270183
Messejana

P1270201

Abril
O  meu Minho…

P1270736
Soajo
18238775_1656018637745690_3854792158227864640_o
Arcos de Valdevez

E ainda…

P1270878
Picos de Europa | Espanha
P1280026
Picos de Europa | Espanha

Maio

18320811_1661158013898419_3040601004012502207_o
Dornes
18954678_1698085416872345_7075164627455278820_o
Aqueduto dos Pegões

Junho

P1290161
A caminho dos 3479 | Mulhacén | Serra Nevada | Espanha
19621296_1729646043716282_672488844856274371_o
Lá bem no alto… | Mulhacén | Serra Nevada | Espanha

Julho
Mais Alentejo…

20368842_1760640303950189_4880028497441066968_o
Alqueva
P1290767
Alqueva

E ainda…

20157137_1749672295046990_7811545748860899103_o
Ilhas Cíes | Espanha

Agosto
A generosidade encarnada num país… Irão
aP1300862P1310335

P1310370

Setembro

21427325_1808527149161504_5459050728272419666_o
Cores: azul mar e azul céu

Outubro

22426474_1846746715339547_7403658322531567423_o

22791864_1859771577370394_3495912102190450476_o
Caldas da Rainha

Novembro

24130126_1895206873826864_4665174893162367051_o
Foz do Arelho

24059747_1896340240380194_5917386624179614198_o

Dezembro

Sight_2017_12_12_024757_577

(talvez continue…)

Agora sim, é Natal

Setembro
Deitado à sombra de uma árvore, aquela que o senhor António batizou como sendo minha, com a cabeça apoiada nas mãos e uma palha na boca, recordo, com um sorriso, as férias. Como foram bons os dias em que o ajudei a passear as ovelhas, colina acima, colina abaixo. Viajei no tempo, ouvindo atentamente as suas histórias.  O seu rosto e as suas mãos contam, sem ser necessária uma única palavra, o quão difícil foram muitos dos seus dias. Ainda assim, é a serenidade da sua voz e a meiguice do seu toque quando me segura a mão que tornam estas numas férias singulares.

O senhor António está a dormir a sesta e daqui a pouco vai levar-me a um sítio especial. Anseio pelas quinze horas, para o esperar, conforme o combinado, no banco de pedra, junto a sua casa.

Tic… Tac.. Tic… Tac…

Quinze horas…

Aqui estou, sentado no banco de pedra. Ouço a bengala bater no soalho de madeira, seguido do ranger da porta. Sai de casa com uma caixa que pede para levar. Com firmeza, segura a minha mão como nunca o fez. Caminhamos durante uns minutos, em silêncio. Chegamos a um edifício abandonado.

– Esta foi… desculpa… é a minha escola. – afirma o senhor António, deixando que as lágrimas invadam o olhar.

Ainda hoje recordo o sorriso da professora, a dona Gertrudes. Era do norte e, orgulhosamente, trocava os v’s pelos b’s. Como gostava de a ouvir! Foi ela que no primeiro dia de escola, na terceira classe, pediu que fizéssemos uma redação sobre as férias. Nesse verão, depois de vir da serra com o meu pai, jogava à bola, na rua, com os rapazes da aldeia. Mas não foi isso que marcou. Foi nesse verão que me apaixonei pela menina mais linda do mundo.

Embevecido, ouço atentamente.

– Enchi-me de coragem e a minha redação deu lugar a uma declaração de amor àquela que ainda hoje me atura. Frequentemente a timidez tomava conta de mim. Nesse dia, quando a dona Gertrudes perguntou quem queria ler o que tinha escrito, fui o primeiro a levantar o braço. Com as pernas a tremer, subi ao estrado. A voz, essa, tremia ainda mais que as pernas. Fez-se um silêncio que ainda hoje consigo sentir. No final, quando terminei, temia ser gozado. Todos se levantaram e baterem palmas. A dona  Gertrudes,  disfarçadamente,  limpou  as  lágrimas,  abraçou-me  e  segredou: «parabéns, António! Essa menina é uma sortuda!».

Estás a ver aquela janela aberta, no segundo andar, no canto superior esquerdo, com a persiana semicerrada?! Essa era a minha sala. Este era o campo onde passávamos os intervalos. Abre a caixa, por favor.

– Uma bola de futebol!, digo eu espantado.

– Sim, a bola com que joguei no verão em que deixei para trás todos os medos; o verão em que descobri o amor. Quero que fiques com ela. Quero que inicies o novo ano, amanhã, sem medos.

Regressamos a casa. Trago a mão direita bem apertadinha na sua mão esquerda. Debaixo  do  outro  braço  trago  a  bola,  como  se  se  tratasse  de  um  troféu. Agora sim, anseio que chegue o primeiro dia de escola. Espero que a professora peça para escrever uma composição sobre as férias. Quero ser o primeiro a ler, com a bola aos meus pés.

Outubro
Amanhã é dia de teste de Estudo do Meio. Recordo uma das manhãs de verão que passámos juntos. Ouço a sua voz, como se estivesse a meu lado, a debitar os nomes dos rios e afluentes. No chão, com o cajado, desenha o mapa da Península Ibérica. A cada risco surge um curso de água e os rios ganham vida. “Este, como se chama?”, questiona. Sinto que estou num concurso, daqueles que passam na televisão, mas muito mais divertido.

Novembro
Mais um dia de escola que passa. Os meus pais, como sempre, esperam-me à saída. Hoje vamos à livraria do bairro escolher o presente de aniversário para a minha tia. Cada vez que entro numa livraria percorro milhas. Embarco no mundo das letras e deixo-me levar pela brisa libertada a cada página percorrida.

– Mãe, afinal o mundo não é apenas redondo.
– Então?!
– Pode tomar a forma que quisermos. De um livro, por exemplo. Este é sobre o mundo dos pastores, o mundo do senhor António. Podemos levar, mãe? Tenho saudades dele. Da sua serenidade e da sua sabedoria. Do modo carinhoso que segura a minha mão, quando passeamos juntos. Ontem comecei a contagem dos dias para o Natal, para o abraçar e passar as tardes à lareira, a ouvi-lo.
– Claro que sim!, diz a mãe com brilho no olhar, que se estende até à mão que percorre o rosto do menino.

Dezembro
Acabo de chegar à aldeia. Saio do carro. Fecho os olhos. Inspiro e sorrio. Cheira a lareira. E, agora sim, cheira a Natal. Sei que já é tarde, mas não resisto. Corro para a casa do meu amigo e vejo que ainda há luz. Bato à porta. “Quem será a esta hora?”, ouço-o murmurar, assim como os seus passos a dirigir-se para a porta, que range, quando se abre.

– Oh rapaz, és tu!
– Sou eu.

Estico os braços e, sem mais palavras, agarro o seu pescoço. Damos um abraço daqueles que fazem estalar os ossos. As lágrimas, de felicidade, lavam o rosto.

– Amanhã, bem cedo, volto e trago comigo o mundo.
– O mundo?
– Sim, o mundo.

Dia 24. O perfume da cevada acabada de fazer e o barulho do pão a brincar com a torradeira invadem a casa. Na janela do quarto delicio-me com o manto branco que cobre as montanhas, aquelas que abraçam a aldeia todos os dias. Olho para o relógio e percorro a intensidade do aroma que conduz até junto dos meus pais, na cozinha.

– Bom dia, mãe! Bom dia, pai! Dormiram bem?
– Bom dia, filho! Já estás acordado?, indaga a progenitora.
– Acordei agora mesmo.
– Hummm… Tens alguma fisgada! Conheço esse sorriso…
– Estou feliz! Apenas isso… Super feliz! Pai, ajudas-me a preparar uma surpresa para o senhor António?
– Claro que sim!
– Encontrei esta caixa vazia, no sótão, do telemóvel que oferecemos ao avô. Vamos enchê-la de sonhos, amor e mundo. Escolhes algumas fotos das férias de verão, aqui, na  aldeia. Escrevo  algumas  frases,  numa  folha  cor-de-manto-que-cobre-a-aldeia, todas ditas pelo meu velho amigo, claro! A última será: “Quero que inicies o novo ano, amanhã, sem medos”.

Terminada a doce tarefa, os meus pais dizem que têm gosto em passar a noite de consoada com o senhor António e o seu amor de sempre. É o melhor presente de Natal que alguma vez recebi. Enrolo o corpo franzino no cachecol que era do meu avô, como se fossem os seus braços a aquecer-me. Gorro na cabeça, dou um beijinho aos meus pais.

– Até logo! Já sabem que almoço com o senhor António. Ah… vou trazê-lo comigo!
– Espera! Leva as luvas, diz a mãe, sem sucesso.

Hora de jantar. Junto à lareira está a bola, o livro – o mundo dos pastores – e a caixa do telemóvel.

Ainda não acredito. Estou na aldeia, no calor dos meus avós, com os meus pais, o senhor António e o seu amor. Todos a partilhar a mesma mesa. Está na hora de distribuir os presentes. A minha inspiração recebe a caixa e diz: “Isto não é para mim, pois não?! Rapaz, disse-te que não gosto destas modernices. Não é isto que nos une.”

– Eu sei. Tem razão. Mas abra, abra. Apesar de não gostar dessas modernices é o modo simples para falarmos todos os dias. Sempre que nos apetecer.

Reticente, rasga o papel de embrulho. Abre a caixa e, entre um contido lacrimejar, sorri.  Segura  uma fotografia.  Os  dois,  sentados  no  cimo  da  montanha,  de  olhos fechados a sentir o nascer-do-sol. A sua mão esquerda segura a minha mão direita, bem apertadinha, como só ele sabe fazer. Fica em silêncio. Lê a última frase. Encontra ainda o livro, o seu mundo. Abraça-me. “Ah rapaz, afinal gosto destas modernices!” Agora sim, é Natal!

“Há pessoas que são casas”

“Não sei como
Não sei porquê
Não sei quando terá começado
Nem sei se algum dia acabará
Mas sei que hoje sou parte de uma Casa
Igual a tantas outras
Mas diferente de qualquer outra

Uma Casa que me acolhe 
Que me protege 
Que me consola
Um lugar onde preciso voltar 
De quando em quando
Para me lembrar quem sou
Para me lembrar por onde quero ir
Sem saber onde vou chegar
Nem quando vou chegar

Essa Casa tem paredes
Feitas de Gente
Nenhuma parede mestra
E todas feitas de mestres
Não é grande nem pequena
Tal como as pessoas
Não são grandes, nem pequenas
Apenas são…”

Paulo Santos | Galeria Nova Ogiva | Óbidos

A propósito da nossa Casa, já está disponível o novo álbum do jovem vimaranense Diogo Alves Pinto aka Gobi Bear. “Our Homes & Our Hearts”,  o oitavo trabalho do ‘urso’ conta com as doces vozes de emmy Curl e Surma nos temas Unloved e Sealion, respetivamente.

Para ouvir… e ouvir… e voltar a ouvir…

https://gobibear.bandcamp.com/track/our-homes-our-hearts